DEFINIÇÃO

 

Permacultura da palavra original Permaculture© - Permanent Agriculture (culture) é um sistema de planificação e criação de habitats humanos em harmonia com a Natureza.

O conceito foi desenvolvido à 30 anos por Bill Mollison, um fervoroso ecologista Australiano e David Holmgren, estes sistemas surgem como resposta alternativa às agressões do homem ao meio ambiente e consequentemente a si mesmo. Não são métodos novos nem se "reinventa a roda", mas sim um retorno a práticas ancestrais de observação, respeito e trabalho em colaboração com a Natureza como um todo.

É uma atitude de vida positiva que visa a sustentabilidade agrícola, social, cultural e económica através de métodos de planificação e concretização apropriados, eficientes e produtivos cujos padrões se assemelham ou imitam a Natureza.

A Permacultura não é um sistema especializado e único numa determinada actividade mas sim um método de integração global de vários componentes da actividade humana, tais como agricultura, piscicultura, silvicultura (...), arquitectura, engenharia, paisagismo, ambiente, economia, sociologia, cultura, etc..

Os entusiastas de Permacultura por todo o mundo exprimem em grande parte as suas análises, planos e criações no campo através da agricultura, horticultura e floresta, mas existem também excelentes exemplos dos mesmos princípios aplicados à cidade, ou a qualquer actividade humana mesmo que não tenha relação directa com a Natureza. Por exemplo um escritório ou uma loja pode ser estruturado e organizado segundo os princípios da Permacultura. Nestes casos a associação com o Feng Shui é muito benéfica pois para além da funcionalidade e eficácia dos métodos de Permacultura a análise energética do Feng Shui complementa o plano de modo a surtir um ambiente aprazível, equilibrado e eficaz. Estas abordagens apesar de aparentemente parecerem algo técnicas ou esotéricas tem um impacte na Natureza.

ÉTICA

Todas as manifestações humanas se regem por determinados parâmetros de acção e reacção, sejam vontades, desejos, impulsos intuitivos e instintivos, leis, valores morais, espirituais, culturais, materiais, filosóficos, éticos, etc...

Em Permacultura Bill Mollison resumiu três valores éticos básicos que estão intrinsecamente ligados entre si, sem que os dois primeiros não poderão existir a longo prazo um sem o outro.

Cuidar da Terra - Todos os seres vivos animados e inanimados seja um grão de terra ou uma montanha, uma planta minúscula ou uma floresta, uma formiga ou uma baleia, do mar ou da terra, do ar e em última análise todo Universo.

Cuidar das pessoas - Este valor ético está interligado com o anterior pois não é possível cuidar bem das pessoas (começando por nós próprios) sem cuidarmos da terra e vice-versa. Assim, todos os seres humanos tem o dever de procurar e o direito a receber alimento, abrigo, cuidados de saúde, amor, educação, trabalho, entre outras necessidades para que assim se possam manifestar como seres participativos no longo processo da Vida.

Aplicar limites ao consumo e partilhar os recursos - Para que todos os seres existentes tenham oportunidades semelhantes de se manifestarem, é importante que cada um de nós contribua com dedicação aos outros. Assim que cada um de nós conseguir garantir as suas necessidades básicas (alimentação, abrigo, saúde, educação, ...) deverá estabelecer os seus limites e estender os seus conhecimentos, capacidades e valores a ajudar os outros a consegui-lo também. Cuidar da terra e das pessoas só é possível se existir colaboração entre todos partilhando os infindáveis recursos que o Universo nos proporciona, no entanto para que estes recursos sejam equitativamente distribuídos no tempo e no espaço é necessário que cada individuo saiba o que é ter o suficiente e tenha somente o suficiente.

 

"Aquele que sabe o que é o suficiente, terá sempre o suficiente."
Lao-Tze

 

PRINCÍPIOS

Ao planificar-se um habitat humano, uma casa, prédio, bairro, cidade, uma horta, jardim, floresta, ou qualquer outra acção de intervenção humana deverão ter-se em conta alguns princípios que regem a estabilidade e sustentabilidade do projecto.

Estes princípios aplicam-se a qualquer espaço independentemente da localização, tamanho ou aplicação e são linhas de bom senso que nos guiam na elaboração da nossa intervenção.

Eis apenas alguns:

Posição relativa - Cada elemento é posicionado relativamente a outro(s) de forma a criar uma relação sinergética em que cada um beneficia de alguma maneira do outro. Por exemplo um pequeno lago posicionado junto a uma janela da casa serve de fonte de iluminação e aquecimento natural para o seu interior por acção do reflexo da luz solar e por sua vez a posição elevada da casa actua como corta-vento evitando que haja menos evaporação e redução da vida à volta do lago.

Cada elemento tem várias aplicações - Uma sebe de frutos silvestres providencia abrigo para pequenos animais, corta-vento, sombra, frutos, matéria orgânica, beleza paisagística, bio massa, etc.

Cada função importante é suportada por vários elementos - A energia eléctrica pode provir da rede normal, mas deverá também provir, por exemplo, painéis solares, turbina eólica, gerador por moinho a água, entre outros.

Planificação eficiente dos recursos energéticos do local (análise e distribuição por sectores e zonas) - Um curso natural de água (sector) localizado no terreno acima da casa deverá ser aproveitado para canalizar água para a rega das hortas mais abaixo. Estas por sua vez relativamente à casa (zona) deverão ser posicionadas de modo a facilitar os acessos consoante as prioridades de colheita.

Usar prioritariamente recursos biológicos renováveis em vez de recursos provenientes de combustíveis fósseis não renováveis - Energia solar, vento, água, gás metano proveniente da compostagem orgânica, animais, matéria orgânica, em vez de petróleo e derivados.

Promover a reciclagem energética no local - Todos os resíduos deverão ser reciclados pelo sistema local transformando-os num recurso energético para outra aplicação. Por exemplo os restos de alimentos deverão ser decompostos num local apropriado - vulgarmente conhecido por composto - onde se irão transformar em matéria orgânica fertilizante do solo, ao mesmo tempo através de um bio digestor se poderá obter gás metano libertado durante a fermentação. Este gás poderá alimentar um fogão normal.

Promover a sucessão natural das plantas afim de criar solos e habitas favoráveis - Por exemplo guardar e re-usar as sementes da colheita do ano anterior e assim por diante. Estas sementes adquirem ao longo dos anos propriedades de desenvolvimento e resistência adaptadas às diversas características do solo e clima.

Promover a Bio diversidade através da policultura com ênfase para espécies benéficas - As culturas sinergéticas entre diferentes plantas originam ecossistemas cujas espécies beneficiam mutuamente das características das vizinhas. Estes benefícios passam por diferentes tipos de raízes, sombra, fixação de azoto, protecção do vento, redução de pragas, entre outros.

Praticar e efeito de periferia e padrões naturais - A Natureza mostra-nos em tudo o que nos rodeia os seus padrões através de formas circulares, espirais, ondulações, bifurcações, deltas, entre muitos outros. Por exemplo uma cama hortícola plantada em linhas onduladas comporta mais pés do que semeadas em linha recta.

 

página actualizada a quinta-feira, 15 de Abril de 2010 09:36:14

© Nelson Avelar 2009

entrada :: E-mail